POR QUE A FUNDAÇÃO MASC APOIA A COESÃO SOCIAL?

Conceito de coesão social

A Fundação MASC decidiu que a Coesão Social seria o foco central da sua intervenção. A coesão social é muitas vezes considerada um factor crucial para o sucesso e a estabilidade duma sociedade, pois ajuda a promover a harmonia social e a prevenir conflitos sociais. Um forte sentido de coesão social também pode levar a melhores resultados sociais, como menores taxas de criminalidade, melhoria da saúde e bem-estar e maior prosperidade económica. O conceito MASC de coesão social é baseado na filosofia Ubuntu de “humanidade para com os outros”.
A ênfase do Ubuntu centra-se na vida comunitária, na qual os indivíduos se preocupam e cuidam uns dos outros. Na ausência do Ubuntu, o tecido social é visto como fragmentado, resultando em problemas relacionados com a falta de preocupação e cuidado uns com os outros. O Ubuntu é um conceito multidimensional que representa os valores fundamentais das ontologias africanas: respeito por todos os seres humanos, dignidade e vida humana, partilha colectiva, obediência, humildade, solidariedade, cuidado, hospitalidade, interdependência e comunalidade.
O governo, sociedade civil, sectores privados e doadores devem mobilizar a inteligência colectiva que existe em todas as comunidades para responder às expectativas das comunidades marginalizadas em termos de governação democrática, prestação de serviços, participação plena de todos os cidadãos na vida cívica, inclusão económica e de subsistência, inclusão social, inclusão cultural (por exemplo, religiosa, étnica), direitos humanos, liberdade de expressão, mudanças climáticas, infra-estruturas rurais, estabilização da segurança, crises alimentares e de combustível e integridade territorial.

POR QUE COESÃO SOCIAL?

Moçambique tem sido atormentado por conflitos militares, ciclones e inundações várias vezes nas últimas três décadas. Antes do ataque dos ciclones Idai e Kenneth, foi amplamente divulgado que o país estava lutando com altos níveis de insegurança alimentar. A inadequação da preparação do governo para um país propenso a desastres naturais e sua falha em alertar os cidadãos nas áreas mais prováveis de serem afetadas podem ser atribuídas ao planejamento e recursos inadequados para perigos imprevistos.

Com exceção do ciclone Idai, para o qual o governo emitiu um alerta vermelho alguns dias antes da chegada da tempestade. Com a devastação do ciclone, as províncias em situação de insegurança alimentar, localizadas em regiões marginalizadas pelo governo, foram as mais afetadas. Os desastres naturais exacerbaram a insegurança alimentar, intensificando a desconfiança e a frustração dos cidadãos com o governo, contribuindo assim para a instabilidade. Além disso, Moçambique apresenta um elevado nível de desigualdade e desemprego, o que tem levado a tensões e conflitos crescentes que ameaçam a coesão social e a estabilidade política.

A coesão social e a coexistência são os únicos meios pelos quais Moçambique, uma sociedade multicultural, multirreligiosa e multilingue, pode avançar como nação. O desenvolvimento global em Moçambique não poderia ser alcançado sem o desenvolvimento global para todos os grupos de pessoas, independentemente das suas religiões, etnias e género, bem como abordar a coexistência pacífica, o desenvolvimento económico, a desigualdade, os efeitos das alterações climáticas, a pandemia de saúde e o reforço da cooperação regional e garantir a participação plena e efetiva nos sistemas econômico e político de grupos historicamente marginalizados (por exemplo, mulheres, jovens, deficientes, idosos e minorias étnicas e religiosas).

Mulheres, jovens, pessoas com deficiência e idosos são tão essenciais para o processo de desenvolvimento quanto os homens. Como nossa assimilação na sociedade começou na infância com os conselhos, cuidados e crenças de nossa mãe, o papel das mulheres na coesão social e no desenvolvimento nacional é facilmente perceptível. Infelizmente, as mulheres enfrentam discriminação em todas as disciplinas em Moçambique. Em Moçambique, a falta de saúde, educação, autonomia, poder de compra e exposição à discriminação os tornam mais vulneráveis. O desenvolvimento geral das mulheres está correlacionado com o desenvolvimento geral do país, que é um preditor significativo de vários graus de coesão social.

Resumidamente:

A reconstrução da coesão social é um contributo essencial para o desenvolvimento sócio-económico em Moçambique.

Credo de Engajamento da FUNDAÇÃO MASC

Todos os funcionários da Fundação MASC seguem uma abordagem de desenvolvimento baseada em princípios. É mais concretamente manifestado em nossa atitude, respeito e valores em nosso trabalho diário:

Credo dos beneficiários da FUNDAÇÃO MASC

Os beneficiários da FUNDAÇÃO MASC aderem a valores e princípios enraizados na cultura do povo Ndebele do Zimbábue. Esses valores são expressos na língua Ndebele como “7 Zs e um Q”:

O credo é centrado no conceito central de Zenzele, derivado do provérbio africano Akusimuntu ongasimuntu walutho (“não há ninguém sem propósito”). Assim, Zenzele é um processo de autodescoberta e automobilização administrado pelo eu, não apenas para o desenvolvimento de si mesmo, mas também para o desenvolvimento dos outros. Este conceito rege e permeia tudo o que a FUNDAÇÃO MASC faz e é evidente em todos os lugares.